Bicho homem

Na ressonância silenciosa do mundo
Encarcerado pelas multidões vazias
Vive lá o bicho homem, sem que sem pra quê
Se alimenta dos sonhos, se embriaga de utopias
Desculpa-se da culpa, orgulha-se da evolução
Evoluiu, mas, onde afinal chegou?
Dos primatas irracionais deriva o ser pensante
Que por vezes diz agir sem pensar
Para onde foi o raciocínio?
A teoria da evolução se contradiz para essa espécie
Para Darwin, o ser se adapta ao ambiente...
Cria formas de sobreviver
Plantas próximas de Chernobyl se adaptam ao solo contaminado
O bicho contamina o solo em que vive, para não ter que mudar
Cabe ao meio adaptar - se a ele.. Cabe a ele destruir o meio
No quê sem pra quê,  buscando sei mais o quê
A procura dos porquês
Vive apenas por viver

4 comentários:

ღ Sensivity ღ disse...

Tenho um desafio para você. Entre nesse link, o último desafio da página é para você:
http://embuscadasensibilidade.blogspot.com/p/selos-e-desafio.html
Beijinhos.

Obs.: ficou lindo o layout.

Dielma disse...

Oi, Alinee!!! Adorei o novo layout, tá show...muito lindo. Vc sempre exalando emoção por todos os cantos do blog. Obrigada pelo "presente", adorei. Já tá lá. Beijo ;)

Lynda Evy disse...

Querida, estou retribuindo sua visita, teu blog é muito fofo *-*
Obrigado pelo selo ^^
estarei seguindo teu blog e acompanhando.


http://depoisquando.blogspot.com/

Perímetro Underground disse...

Realmente adorei o blog,este poema é muito bom e forte tbm.Parabéns!Keep going.Retribuindo visita.